full screen background image

Conheça o ator baiano que catou papelão, morou no Pela Porco e agora está na Glob

No elenco da série Carcereiros, Jean Amorim comenta sua trajetória de catador de papelão a ator, com direito a protagonismo no filme Capitães da Areia. Quem olha para o semblante tranquilo do ator baiano Jean Luis Amorim, 23 anos, não imagina a metade do que enfrentou na vida. Do “Jean maloqueiro ao Jean ator”, como o próprio define, perdeu amigos para o tráfico de drogas, catou papelão, enfrentou a violência nas ruas do Pela Porco, periferia onde cresceu em Salvador, foi expulso da escola e ouviu muita gente dizer que não passaria dos 17 anos, por conta do seu comportamento agressivo.

Acontece que a arte entrou em sua vida e tudo mudou. Depois de ser chamado para interpretar o marcante Pedro Bala, no filme Capitães da Areia, de Cecília Amado, sem nunca antes ter atuado, Jean tomou gosto pela profissão. A partir da oportunidade que surgiu há mais de dez anos, atuou em Malhação (2015), no filme Na Quebrada (2014) e na série Carcereiros, que estreia quinta-feira (26) na Globo/ TV Bahia, com Rodrigo Lombardi no papel principal.

Premiada em Cannes, no Grande Prêmio do Júri do Mip Drama, e inspirada na obra de Drauzio Varella, a série retrata a realidade do sistema prisional brasileiro. Universo que foi apresentado a Jean bem cedo, mas do ponto de vista dos amigos que contavam detalhes da experiência na prisão. “Conheci um menino que cometeu o primeiro homicídio com 10 anos. Depois encontrei com ele e o moleque tinha 13 anos com mais homicídio que a própria idade”, lembra Jean.

Ao questionar o garoto sobre o que sentia ao matar alguém, ouviu como resposta: “nos primeiros dias fiquei preocupado, mas depois você acostuma. Ainda mais depois de ir pra cadeia, porque a galera te passa uns ensinamentos. Fico lá de boa, tô ali protegido”. Mesmo com todo o “preparo” para enfrentar a realidade dura, Jean não esconde o tom de preocupação, do outro lado da ligação, enquanto narra a história.

“Pra ele era normal… Esse moleque não chegou nem a completar 18 anos. O sistema faz o cara virar cada vez mais um monstro”, diz em tom de crítica. “Quanto mais cedo você tem um moleque na cadeia, mais cedo ele vai se tornar um bandido pior, porque a cadeia é uma escola do crime”, defende o ator que é declaradamente contra a redução da maioridade penal.

Jean Amorim, Rodrigo Lombardi e Tony Tornado na série Carcereiros (Foto: TV Globo)

Liderança
A partir da experiência de vida na periferia e no filme Na Quebrada, gravado em um presídio real, Jean foi construindo a base para seu novo personagem. Vinícius é o carcereiro mais novo do grupo de agentes da penitenciária Vila Rosário, onde se passa a série Carcereiros que ganha três episódios inéditos para a versão da TV, além dos 12 já disponíveis no Globo Play.

“Vinícius é esse cara que tem que prestar atenção e, ao mesmo tempo, não demonstrar para os presos que é inexperiente, porque senão vira alvo fácil”, explica. Como, então, colocar 200 presos na cela só com a palavra? “Você tem que conquistar a confiança deles. Pra mim, que vim de periferia, meio que conheço essa galera, sei que você tem que falar o dialeto deles”, responde Jean.

Colega de cena, o ator paulista Rodrigo Lombardi, 41 anos, destaca a força de vontade de Jean, que tem uma liderança natural e “é um menino encantador”. “Ele é um ator dedicado, concentrado, observador, que busca tirar o melhor em cada cena, por isso, ainda vamos ouvir falar muito do seu talento. Embora fosse o mais novo do time dos carcereiros, ele demonstrou ser muito maduro no dia a dia, e isso conquistou todo mundo”, elogia.

Essa liderança, vale ressaltar, foi o que chamou a atenção de Cecília Amado, 42 anos, diretora do filme Capitães da Areia. “Conheci Jean quando ele tinha 11 anos, foi no Projeto Axé, anos antes de começar a busca oficial pelo elenco. Naquele dia, anotei no meu caderno: Jean Luis, 11, gordinho, jeitinho de Pedro Bala. Que jeito era esse? Não sei!”, conta Cecília com bom humor.

Foram 1.200 entrevistas e Jean estava entre os 90 selecionados. “Jean era tímido, a princípio, e no final era querido, uma espécie de líder daqueles 90 meninos e meninas, mesmo sendo um dos mais jovens”, lembra a diretora. “É um orgulho ver o homem que se tornou. Sempre focado e solidário com os seus, com o bairro de onde veio, com sua família e os outros Capitães. Um dos maiores exemplos que tive na vida”, elogia.

Braço direito de Jean no filme, e depois na vida, o ator Roberio Lima, 27 anos, lembra que ficou surpreso quando o conheceu durante as filmagens.

“Ele conseguia chamar a atenção, mesmo sendo um dos mais novos. Era o líder da bagunça, mas ao mesmo tempo um cara família, superprotetor. Tinha liderança desde moleque. Mesmo mais velho, eu pensava: ‘caramba, olha pra esse moleque. Colocava o terror em todo mundo. O líder do bando”, ri Roberio, que deu vida ao Professor de Capitães da Areia

No filme de Cecília Amado, inspirado na obra de Jorge Amado, Jean era o líder dos Capitães da Areia: Pedro Bala (Divulgação)

Resistência
Foi com essa determinação e liderança que Jean passou de “maloqueiro a ator”. Foi enfrentando abordagens policiais na porta da escola, porque achavam que estava com droga na mochila, e enfrentando a fama de brigão, até ser expulso do colégio. Foi catando papelão, vendendo picolé na praia e trabalhando como garçom para ganhar um trocado e ajudar os pais, que criaram sete filhos.

“Muita gente falava que eu não passaria dos 17, porque era muito violento, andava com pessoas envolvidas, e meu pai sempre trabalhava, minha mãe estudava. Nas periferias do Brasil, as crianças acabam se envolvendo com o tráfico por falta de instrução. Quem vai dizer o que elas devem fazer?”, provoca Jean.

Foi se dedicando às aulas de música no Projeto Axé e agarrando seu primeiro papel no cinema que mudou de vida. Para viver de arte, concluiu o segundo grau com supletivo e se debruçou em cursos de atuação. A mesma arte fez com que morasse no Rio de Janeiro e em São Paulo, onde vive hoje, e conhecesse sua namorada, a também atriz Jennifer Nascimento, 24, durante as gravações de Malhação.

No elenco de Malhação – Sonhos, em 2015, Jean deu vida ao lutador de Muay Thai Marcão, que tinha uma banda com Sol (Jeniffer Nascimento), sua namorada na vida real, e Paula (Daniela Dillan)

“Nasci num lugar muito violento: eu tinha 4 anos quando vi a primeira pessoa morrer na minha frente. A arte me salvou, porque até os 13 anos eu não tinha expectativa de vida. Além disso, foi ela  que me fez não me envolver com a criminalidade”, garante o ator que também destaca o efeito da atuação na sua autoestima. “A gente quer ser visto de alguma forma, somos marginalizados o tempo inteiro”, desabafa.

Depois que passou a viver da arte, Jean conta que começou a expandir a mente e querer buscar viver de outra forma. Hoje, conta orgulhoso, “sirvo de referência pra muitos da minha comunidade”. Então completa: “Sou resistente: consegui transformar uma oportunidade em vida”.

O Outro Lado do Paraíso: Xodó vira “homem bomba” e destrói a vida de Sophia

Resultado de imagem para Anderson Tomazini

Xodó (Anderson Tomazini) vai virar “homem bomba” e acabará com Sophia (Marieta Severo) nos próximos capítulos de O Outro Lado do Paraíso, novela das nove da Globo. Ele será testemunha chave e revelará os crimes da vilã a seus rivais, destruindo a vida dela.

“Estou arrepiada com o que me contou”, dirá Clara (Bianca Bin) após o rapaz revelar os crimes de Sophia no capítulo que vai ao ar no dia 23 de abril. “É a mais pura verdade”, afirmará Xodó, que contará com a megera assassinou suas vítimas. “Patrick [Thiago Fragoso], algum fato deve unir esses crimes. A Sophia deve ter tido motivo para matar essas pessoas”, comentará a mocinha.

Depois disso, Patrick conseguirá provas contra a vilã. “Vamos à delegacia. Depois do que eu descobri, o quebra-cabeça está montado. O Xodó é a testemunha chave. Mas todas as outras pessoas podem depor, no processo. Tudo que elas contaram complementam o depoimento do Xodó. O Bruno [Caio Paduan] tem informações suficientes para começar a se mexer”, dirá o advogado à Clara.

Fonte: tvfoco

Felipe Titto fala sobre assédio dos fãs e comemora personagem em O Outro Lado do Paraíso

Felipe Titto (Foto: Divulgação)

No ar em O Outro Lado do Paraíso, novela da faixa das 21h da Rede Globo, na pele do cabeleireiro Odair, o ator Felipe Titto tem causado o maior reboliço nas redes sociais. Em entrevista ao Purepeople, Felipe falou sobre o assédio dos fãs: “O feminino é diferente do masculino. O homem tem isso de ser outro homem, independente de ser gay ou não, e rola um respeito, um machismo, uma cordialidade do sexo. A mulher, como é mais comum os sexos opostos, é diferente. Sozinhas elas não fazem nada, mas quando juntam duas ou três, sai de baixo (risos). Outo dia escutei assim: ‘Suspende as fritas que o filé chegou!’. Ela falou alto pra caramba e fiquei vermelho (risos)”, contou.

Se os fãs conseguem sucesso com a abordagem, Felipe comentou: “Olha, depende do momento… Mas funciona (risos)”. Sobre seus fetiches na hora do sexo, ele afirmou: “Particularmente eu não tenho essa vontade. Nunca me apeteceu e todas as vezes que tentaram fazer alguma coisa disso dou risada e cai no cômico e não no erótico (risos). Sou mais do tira a roupa e vamos. Cai mais no vergonha alheia”. Felipe também revelou que pretende mudar o visual após o fim da novela: “Eu gosto da barba, mas o cabelo não tem nada comigo. O meu é muito crespo e aqui tem uns 200 alisamentos que chega a ficar duro. Eu lavo com shampoo e condicionador agora, porque antes eu lavava com sabonete a cabeça raspada. Aproveitava uma coisa só (risos). E depois de lavado eu já prendo para ficar como está, se secar ele fica esturricado. Mas, acabando a novela eu faço um filme e já posso raspar a cabeça. O personagem é envolvido com luta, mas não posso contar mais”.

Primo de William Bonner, Hugo Bonemer está namorando com ator

Imagem relacionada

Em entrevista recente ao programa TV Fama, da RedeTV!, Hugo, que também é ator, assumiu relacionamento gay com outro ator. “Tô namorando agora, mas tô tranquilo. Casar eu não sei, uma coisa de cada vez”, disse Hugo, ao ser perguntado sobre sua vida amorosa. “Mas ela é do meio artístico?”, perguntou o repórter. “Não, é ele. É um ator”, esclareceu o rapaz. Atualmente ele interpreta o piloto Ayrton Senna em musical inspirado na vida do ídolo brasileiro na Fórmula 1. Além disso, o ator está na segunda temporada do musical Yank!, que fala o sobre o começo do movimento gay nos Estados Unidos durante a Segunda Guerra Mundial

CARREIRA NA TV
Apesar de ser primo de William Bonner, Hugo é conhecido por seu trabalho como ator. Na TV, ele já integrou o elenco de novelas da Globo, como Malhação (onde começou na televisão), Alto Astral, Em Família e, mais recentemente, na primeira fase de A Lei do Amor (2016) – seu último papel.

Em entrevista recente ao programa TV Fama, da RedeTV!, Hugo, que também é ator, assumiu relacionamento gay com outro ator. “Tô namorando agora, mas tô tranquilo. Casar eu não sei, uma coisa de cada vez”, disse Hugo, ao ser perguntado sobre sua vida amorosa. “Mas ela é do meio artístico?”, perguntou o repórter. “Não, é ele. É um ator”, esclareceu o rapaz.

Atualmente ele interpreta o piloto Ayrton Senna em musical inspirado na vida do ídolo brasileiro na Fórmula 1. Além disso, o ator está na segunda temporada do musical Yank!, que fala o sobre o começo do movimento gay nos Estados Unidos durante a Segunda Guerra Mundial

CARREIRA NA TV
Apesar de ser primo de William Bonner, Hugo é conhecido por seu trabalho como ator. Na TV, ele já integrou o elenco de novelas da Globo, como Malhação (onde começou na televisão), Alto Astral, Em Família e, mais recentemente, na primeira fase de A Lei do Amor (2016) – seu último papel.

Xuxa conquista classes A e B e agrada Record com o Dancing Brasil

O reality show Dancing Brasil está em sua terceira temporada na Record em menos de um ano. Virou um coringa da emissora. Xuxa Meneghel é quem comanda o programa exibido todas as quartas no canal paulista. Em novo horário, a atração percebeu o efeito da forte concorrência, mas, apesar disso, mantém números que agradam ao canal de Edir Macedo.

Ao analisar o perfil de público do Dancing Brasil no atual horário, há uma grande fatia pertencente às classes A e B. O programa é o preferido por 35% em São Paulo, 23% no Rio de Janeiro e 30% no PNT (Painel Nacional de Televisão). Na classe C1, os números também são expressivos: 30% em São Paulo; 25% no Rio de Janeiro e 28% em todo o Brasil. Já na classe C2, os resultados, respectivamente, são: 23%; 36% e 26%. As classes D e E  atingem 11% em São Paulo e 16% no Rio de Janeiro. Já no país, o índice chega a 15% nesse público.

O Dancing Brasil vai ao ar às quartas-feiras, ao vivo, logo após o Jornal da Record, com apresentação de Xuxa Meneghel, produção da Endemol Shine Brasil, com direção geral de Rodrigo Carelli. O Dancing Brasil é do formato original “Dancing with the Stars”, da BBC Worldwide.

Vale lembrar que, apesar dos índices, Xuxa continua em terceiro lugar no ranking das audiências e com o tabu de nunca ter vencido Ratinho na média. Até o momento ela tem 7 pontos de média e o SBT soma 9 pontos. Entre as atrações da linha de shows da Record, porém, o Dancing é o que possui o melhor desempenho.

Das 15 estrelas do reality show musical, cinco já saíram da disputa: o empresário Bruno Chateaubriand, o ex-boxeador Popó, a modelo Bárbara Evans, o cantor Sebá e o ator Diogo Sales. Continuam na competição em busca do prêmio de R$ 500 mil: a modelo Raissa Santana; a apresentadora Geovanna Tominaga; a nadadora Joanna Maranhão; as atrizes Hylka Maria, Isabel Fillardis e Bárbara Borges; os atores Eduardo Pelizzari e Douglas Sampaio; a cantora Marina Elali; e o humorista Rodrigo Capella.

Record contrata mais um ex-global para novela de Fridman

Imagem relacionada

Em um momento conturbado em sua teledramaturgia, a Record continua investindo em ex-atores da Globo para as suas próximas telenovelas. Em Rosa Choque, que será escrita por Cristianne Fridman, a emissora continua investindo na estratégia. O novo contratado do canal para fazer o folhetim é um nome já conhecido de algumas produções globais: o ator Daniel Blanco. Irmão da ex-Rebelde Lua Blanco (hoje na Globo), Daniel fichou conhecido por seu papel e Malhação e depois disso atuou em Totalmente Demais.

Rosa Choque promete ser uma nova “fase” na teledramaturgia da Record, um recomeço. O canal não investia em novelas contemporâneas não bíblicas desde 2014, quando foi ao ar Vitória, da mesma autora.

ROSA CHOQUE PODE NÃO CONTAR COM SUPERVISÃO DE CRISTIANE CARDOSO

Não é novidade para ninguém a turbulência em que se encontra a teledramaturgia da Record. Belaventura e Apocalipse, as únicas novelas inéditas do canal, fracassam em audiência, e a emissora é acusada de interferir descaradamente no texto da autora Vivian de Oliveira. Boa parte dessa interferência é atribuída a Cristiane Cardoso. Filha de Edir Macedo, ela vinha se tornando ultimamente a “chefe” das novelas do canal, ditando o que pode e o que não pode ir ao ar.

Com Apocalipse, o dedo de Cristiane parece ter ultrapassado todos os limites. Esse poder da mulher de Renato Cardoso na Record pode estar com os dias contados, ou pelo menos limitado às novelas bíblicas. É que uma foto do roteiro da nova novela da emissora, Rosa Choque, não mostra nos “créditos” o nome da apresentadora do The Love School, como ocorria com Apocalipse, por exemplo.

Resta saber se é algo que efetivamente acontece ou se é apenas “no papel” e Cristiane continua trabalhando nos bastidores.

Cauã Reymond em minissérie causa mal-estar e ator é odiado na Globo

O ator Cauã Reymond provocou um grande mal-estar na Globo ao resolver priorizar o personagem Dante da minissérie Ilha de Ferro. O motivo é que o ator já estava solicitado para vários outros projetos antes desse na casa. No entanto, decidido a se entregar na proposta da série, ambientada em uma plataforma de petróleo, e a trabalhar pela primeira vez com o cineasta Afonso Poyart, Cauã teve que dizer não para vários outros projetos, incluindo os mais insistentes. No entanto, a negativa não foi bem recebida por alguns autores e diretores, como informa o jornalista Flávio Ricco. Ele agora tem inimigos e é odiado na Platinada, e tem até um famoso escritor que não quer vê-lo nem pintado de ouro, nunca mais. As gravações de Ilha de Ferro começaram há alguns dias e vão se estender até o fim de abril. O seu processo de exibição seguirá um novo planejamento traçado pelo Grupo Globo, já que está sendo produzida especialmente para um novo serviço de streaming. Já chamado internamente de “Globoflix”, o projeto será lançado em breve e tem à frente o diretor de Mídias Digitais, Erick Brêtas. Como pode se supor pelo apelido que recebeu, trata-se de um serviço na linha do gigante norte-americano Netflix. Ilha de Ferro contará a história de petroleiros da PLT-137, plataforma de produção de uma companhia de exploração de petróleo fictícia. Mostrará a vida dupla de funcionários cheios de garra e com muitos desafios, unidos por um estilo de vida em comum, imposto por contratos que determinam confinamento a cada 15 dias.

Ator fala sobre a importância da novela Apocalipse na televisão brasileira

Começou na última terça-feira, dia 21 de novembro, a novela Apocalipse. O folhetim está substituindo O Rico e Lázaro no horário nobre da TV Record e promete cenas revolucionárias e cheias de efeitos especiais. O elenco conta com vários atores globais.

O ator Castrinho está no elenco da novela e é um dos poucos que percorrerá as três fases do folhetim da autora Vivian de Oliveira. Cercada de expectativa, a direção da Record espera atingir bons índices de audiência se aproveitando do início de O Outro Lado do Paraíso, da Globo.

“Eu quero falar que a novela é totalmente diferente de tudo aquilo que já foi apresentado. Nesses meus sessenta anos de carreira eu tenho certeza que é totalmente diferente. Vocês não podem perder essa novela, é muito relevante para a história da televisão. Faço parte dela com muita honra”, declarou o ator para a reportagem do programa Balanço Geral SP.

RECORD ACREDITA QUE APOCALIPSE FARÁ O MESMO SUCESSO DE OS DEZ MANDAMENTOS:

A direção da Rede Record ficou animada com a audiência de estreia da novela Apocalipse, substituta de O Rico e Lázaro no horário nobre da emissora paulista. A trama é cercada de expectativas desde antes da estreia, que aconteceu na terça-feira, 21 de novembro.

De acordo com informações do jornalista Fernando Oliveira, a alta cúpula anda apostando que Apocalipse atingirá o mesmo sucesso de Os Dez Mandamentos, quando foi exibida pela primeira vez. As duas novelas são da autora Vivian de Oliveira.

O problema é que os comentários negativos já começaram. Muita gente não gostou dos efeitos especiais na cena do tsunami, exibido no primeiro capítulo. Outros acham que a forma como a novela está mostrando a igreja católica pode prejudicar o bom andamento.